22-03-2016 Fotos da audiencia -Pesquisas Fosfo Ft Augusto  (5)

3 de junho de 2016

Fosfoetanolamina reduz tumor em camundongos

A fosfoetanolamina sintética, que ficou conhecida como “pílular do câncer”, reduziu em 34% o tamanho de tumores de pele de camundongos, segundo recente estudo divulgado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) no site criado para relatar os resultados das pesquisas sobre a substância. Os testes foram realizados pelo Governo Federal em parceria com o Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos (Cienp), de Florianópolis.

Foram inseridas na pele de 40 camundongos células tumorais que causam câncer de pele em seres humanos. Passados 13 dias do implante, os roedores foram divididos em três grupos: o primeiro recebeu doses de 200mg/kg de fosfoetanolamina; o segundo 500 mg/kg do composto e o terceiro Cisplatina, medicamento utilizado há mais de 30 anos no combate a tumores.

Os camundongos que receberam 500 mg/kg de fosfoetanolamina tiveram reduzidos em 34% o tumores desenvolvidos após o implante das células cancerosas. O agrupamento que recebeu a Cisplatina apresentou redução de 68%. Por sua vez, aqueles que ingeriram 200 mg/kg do composto (grupo 1) não tiveram diminuição tumoral. Nesse caso, em relação ao primeiro dia de tratamento, os tumores aumentaram 14 vezes.

Os testes com o composto, criado pela USP em São Carlos, começaram em dezembro do ano, quando o deputado federal Celso Pansera ocupava o cargo de ministro da CT&I. A presidenta afastada Dilma Rousseff chegou a sancionar uma lei permitindo a distribuição da substância para pacientes com tumores malignos, mas o Supremo Tribunal Federal determinou (provisoriamente) a suspensão dessa legislação.

Pansera tem reiterado que a legalização da Fosfoetanolamina como suplemento alimentar é a melhor alternativa enquanto não for concluída a pesquisa para avaliar a eficácia da substância no tratamento do câncer. O deputado argumenta que os testes iniciais provaram não haver perigo para o corpo humano e que a medida impediria que pacientes e familiares buscassem o composto no mercado paralelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *